Exportar este item: EndNote BibTex

Use este identificador para citar ou linkar para este item: https://bdtd.unifal-mg.edu.br:8443/handle/tede/1547
Tipo do documento: Dissertação
Título: Da concepção das diferenças aos preconceitos na subjetividade e relações sociais juvenis
Autor: ALMEIDA, Nikole Pereira Mendonça de 
Primeiro orientador: GROPPO, Luís Antônio
Primeiro membro da banca: CROCHIK, José Leon
Segundo membro da banca: GOMES, Cláudia
Resumo: A noção de diferença, os preconceitos e a construção destes na subjetividade dos jovens de uma escola pública no sul de Minas Gerais são elementos que buscamos compreender nesta pesquisa. Nosso objetivo é entender como os jovens constroem e se apropriam das noções sobre as diferenças e no que isso implica na construção dos preconceitos ao se socializarem. Compreendemos a diferença como um conceito dialético, ora como algo inerente aos seres humanos e, portanto, importante de ser naturalizada em um âmbito mais individual; ora como uma noção que precisa ser problematizada conjuntamente aos movimentos sociais. Consideramos ainda, o conceito de socialização. A socialização é a forma que possuímos de apropriação, fomento, relação, trocas e identificação com a nossa cultura na história. Diante disso, tecemos o conceito de preconceito e como este é construído sob o viés psíquico e social. Conforme alguns estudos apresentados nesta dissertação, o preconceito é um tipo de representação recorrente no contexto escolar e, é por essa razão, que almejamos entender essa construção na subjetividade jovem. Como método, para orientar nossa pesquisa, partimos de um estudo bibliográfico, da entrevista aberta e da roda de conversa como instrumentos para a apreensão dos sentidos subjetivos que os jovens constroem sob influência do preconceito. Nossas observações revelam elementos que favorecem a construção dos preconceitos dentro da sala de aula, partindo, principalmente, das regras estabelecidas pela escola e pelos professores. Essas influências têm forte peso em como os jovens pensam, agem e reagem ao preconceito. Dentre várias formas de pensamento e ação, há subjetividades que projetam os preconceitos de forma perversa, há as subjetividades que os reproduzem de modo não reflexivo e há as subjetividades que os ressignificam em resposta às suas reflexões e vivências.
Abstract: The notion of difference, prejudice and their construction in the subjectivity of young people from a public school in southern Minas Gerais are elements that we seek to understand in this research. Our purpose is to understand how young people construct and appropriate notions about differences and what this implies in constructing prejudices as they socialize. We understand difference as a dialectical concept, that sometimes as something inherent in human beings and therefore important to be naturalized in a more individual context; and sometimes as a notion that needs to be problematized in together with social movements. We also consider the concept of socialization. Socialization is our way of appropriating, promoting, relating, exchanging and identifying with our culture in history. Given this, we weave the concept of prejudice and how it is built under the psychic and social bias. According to some studies presented in this dissertation, prejudice is a type of representation that recurs in the school context and, for this reason, we aim to understand this construction in young subjectivity. As a method, to guide our research, we start from a bibliographic study, from the open interview, and from the conversation circle as instruments for the apprehension of the subjective meanings that young people build under the influence of prejudice. Our observations reveal elements that favor the construction of prejudices within the classroom, based, mainly, on the rules established by the school and by the teachers. These influences have a strong bearing on how young people think, act, and react to prejudice. Among various forms of thought and action, there are subjectivities that project prejudice in a perverse way, there are subjectivities that reproduce them non-reflexively, and there are subjectivities that re-signify them in response to their reflections and experiences.
Palavras-chave: Preconceito
Identidade social
Subjetividade
Educação
Área(s) do CNPq: CIENCIAS HUMANAS::EDUCACAO
Idioma: por
País: Brasil
Instituição: Universidade Federal de Alfenas
Sigla da instituição: UNIFAL-MG
Departamento: Instituto de Ciências Humanas e Letras
Programa: Programa de Pós-Graduação em Educação
Citação: ALMEIDA, Nikole Pereira Mendonça de. Da concepção das diferenças aos preconceitos na subjetividade e relações sociais juvenis. 2019. 90 f. Dissertação (Mestrado em Educação) - Universidade Federal de Alfenas, Alfenas, MG, 2020.
Tipo de acesso: Acesso Aberto
Endereço da licença: http://creativecommons.org/licenses/by-nc-nd/4.0/
URI: https://bdtd.unifal-mg.edu.br:8443/handle/tede/1547
Data de defesa: 4-Set-2019
Aparece nas coleções:Mestrado

Arquivos associados a este item:
Arquivo Descrição TamanhoFormato 
Dissertação de Nikole Pereira Mendonça de Almeida.pdf729,49 kBAdobe PDFBaixar/Abrir Pré-Visualizar


Este item está licenciada sob uma Licença Creative Commons Creative Commons